quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ação social

Para Max Weber, pode ser dividida em quatro ações fundamentais e é função do sociólogo compreendê-las
Para Max Weber, pode ser dividida em quatro ações fundamentais e é função do sociólogo compreendê-las


Na visão de Max Weber, a função do sociólogo é compreender o sentido das chamadas ações sociais, e fazê-lo é encontrar os nexos causais que as determinam. Entende-se que ações imitativas, nas quais não se confere um sentido para o agir, não são ditas ações sociais. Mas o objeto da Sociologia é uma realidade infinita e para analisá-la é preciso construir tipos ideais, que não existem de fato, mas que norteiam a referida análise.
Os tipos ideais servem como modelos e a partir deles a citada infinidade pode ser resumida em quatro ações fundamentais, a saber:
1. Ação social racional com relação a fins, na qual a ação é estritamente racional. Toma-se um fim e este é, então, racionalmente buscado. Há a escolha dos melhores meios para se realizar um fim;
2. Ação social racional com relação a valores, na qual não é o fim que orienta a ação, mas o valor, seja este ético, religioso, político ou estético;
3. Ação social afetiva, em que a conduta é movida por sentimentos, tais como orgulho, vingança, loucura, paixão, inveja, medo, etc., e
4. Ação social tradicional, que tem como fonte motivadora os costumes ou hábitos arraigados. (Observe que as duas últimas são irracionais).
Para Weber, a ação social é aquela que é orientada ao outro. No entanto, há algumas atitudes coletivas que não podem ser consideradas sociais. No que se refere ao método sociológico, Weber difere de Durkheim (que tem como método a observação e a experimentação, sendo que esta se dá a partir da análise comparativa, isto é, faz-se a análise das diversas sociedades as quais devem ser comparadas entre si posteriormente). Ao tratar os fatos sociais como coisas, Durkheim queria mostrar que o cientista precisa romper com qualquer pré-noção, ou seja, é necessário, desde o começo da pesquisa sobre a sociedade, o abandono dos juízos de valores que são próprios ao sociólogo (neutralidade), uma total separação entre o sujeito que estuda e o objeto estudado, que também pretendem as ciências naturais. No entanto, para Weber, na medida em que a realidade é infinita, e quem a estuda faz nela apenas um recorte a fim de explicá-la, o recorte feito é prova de uma escolha de alguém por estudar isto ou aquilo neste ou naquele momento. Nesse sentido, não há, como queria Durkheim, uma completa objetividade. Os juízos de valor aparecem no momento da definição do tema de estudo.
Assim foi o seu conviver com a doutrina protestante que influenciou Weber na escrita de “A ética protestante e o espírito do capitalismo”. Para esse teórico, é apenas após a definição do tema, quando se vai partir rumo à pesquisa em si, que se faz possível ser objetivo e imparcial.
Compare-se Durkheim e Weber, agora do ponto de vista do objeto de estudo sociológico. O primeiro dirá que a Sociologia deve estudar os fatos sociais, que precisam ser: gerais, exteriores e coercitivos, além de objetivos, para esta ser chamada corretamente de “ciência”. Enquanto o segundo optará pelo estudo da ação social que, como descrita acima, é dividida em tipologias. Ademais, diferentemente de Durkheim, Weber não se apoia nas ciências naturais a fim de construir seus métodos de análises e nem mesmo acredita ser possível encontrar leis gerais que expliquem a totalidade do mundo social. O seu interesse não é, portanto, descobrir regras universais para fenômenos sociais. Mas quando rejeita as pesquisas que se resumem a uma mera descrição dos fatos, ele, por seu turno, caminha em busca de leis causais, as quais são suscetíveis de entendimento a partir da racionalidade científica.

Por João Francisco P. Cabral
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

desafios

Quando você troca de emprego ou é chamado para ocupar um cargo superior, muda de cidade ou termina um relacionamento sente um certo desconforto, não é mesmo? Tanto na vida pessoal quanto na profissional é difícil para qualquer pessoa encarar os desafios que chegam com a mudança. Muitas pessoas acabam abrindo mão de boas oportunidades por medo de encarar algo novo.

Mas quando falamos do ambiente de trabalho é preciso levar em conta que os desafios não podem ser encarados como bicho de sete cabeças e, sim, como uma oportunidade para os profissionais ascenderem na carreira, se desenvolverem e demonstrarem suas habilidades. “Os desafios promovem o crescimento profissional e estimulam a inovação”, destaca Sidney Alves, gestor de carreira da RH Capital, empresa de recursos humanos. Para ele o funcionário deve ter em mente que demonstrar resistência a alterações no cotidiano da empresa pode ser visto pelos gestores e líderes como um ponto negativo.

Outro aspecto que deve ser levado em consideração é que o começo de toda mudança é sempre mais difícil. No início, as novas responsabilidades podem assustar e até tirar o sono do profissional, mas depois de superadas, trazem benefícios. “Se o funcionário recebeu uma meta é sinal de que ele é visto como uma pessoa que tem capacidade para atingi-la. As mudanças são benéficas, pois impedem a estagnação dos talentos e promovem o desenvolvimento”, completou.
Se você quiser crescer na organização, deixe o medo de lado e encare o desafio! O profissional deve aproveitar a chance para aprimorar as competências que já possui e ainda propor outras inovações que beneficiem o dia a dia no trabalho e até o aumento na produtividade.“É um momento que pode ser decisivo para a ascensão profissional, por isso é importante estar aberto a mudanças. Se destacar é fundamental e, no fim, o resultado influenciará decisões que podem afetar os rumos da carreira do funcionário, seja dentro ou fora da organização. Além disso, nada melhor do que sentir que a missão foi cumprida”, explica Alves.
fonte:
http://www.bolsademulher.com/trabalho/o-medo-do-desafio-108728.html

terça-feira, 20 de setembro de 2011

assitente social recém formado

Fico revoltada como os assistentes sociais recém formados, se não passarem logo num concurso, sofrem para serem admitidos num emprego. Em qualquer lugar que vc vá, qualquer "projeto social", sempre tem alguma psicóloga chata (nem todas, só as que me entrevistaram), te julgando o tempo todo, depois, ah, seu currículo é ótimo, mas falta experiência...
Poxaaaaa, então por que cargas dágua, esse povo, não bota logo um aviso:
Só entrevistamos assistentes sociais com experiência!!!
Porque, é uma droga, você sair cedo de sua casa, se encher de expectativas, pra ouvir uma chata, encher o peito de orgulho babaca e falar isso.
Estou revoltadaaa, ou as universidades e faculdades, melhoram o sistema de estágio, preparam melhor o profissional, para que adquira uma certa experiência a partir do segundo ano do curso, ou teremos formandos frustrados, porque são poucos os estágios obrigatórios que ensinam de verdade, pelo menos é o que pude observar na Universidade que me formei!!!!

sábado, 17 de setembro de 2011

SUAS agora é lei


O Sistema Único de Assistência Social (SUAS) agora é lei. A presidente Dilma Roussef sancionou o Projeto de Lei da Câmara n.º 189/2010, conhecido como PL SUAS, nesta quarta-feira, 6 de julho, em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). O SUAS agora é regulamentado pela lei n.º 12.435/2011. O CFESS marcou presença, representado pelas conselheiras Sâmya Ramos e Lúcia Lopes. Conselheiros/as de alguns CRESS também estiveram presentes ao evento, que contou ainda com a ministra do desenvolvimento social e combate à fome, Tereza Campello, e com o presidente do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), Carlos Ferrari.

O Projeto altera a Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Pelo texto aprovado e sancionado, o país passará a contar com formato de prestação de assistência social descentralizado e com gestão compartilhada entre governo federal, estados e municípios, com participação de seus respectivos conselhos de assistência social. As entidades de Assistência Social participarão subsidiariamente do Sistema. A coordenação nacional do sistema será feita pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e o financiamento das ações será repartido entre os três níveis de governo, conforme previsto na proposta.

Segundo a conselheira do CFESS Lucia Lopes, a sanção do SUAS é uma conquista importante. "O Sistema agora passa a ter um pressuposto legal, de modo que os serviços aos/às usuários/as terão respaldo para serem cobrados e as demandas dos/as trabalhadores/as possuirão embasamento para serem pleiteadas, como a implementação das 30 horas, no caso de assistentes sociais integrantes das esquipes", destacou.

Ela apontou também que a aprovação e sanção da lei que cria o SUAS traz avanços. "A descentralização e o repasse de recursos de forma transparente são vitórias obtidas com essa lei", afirmou. No entanto, Lucia Lopes ponderou que ainda há aspectos a serem aperfeiçoados. "O SUAS, da maneira como foi aprovado, não contemplou, por exemplo, a ampliação da renda per capita dos membros da família da pessoa com deficiência e da pessoa idosa, que busca o Benefício de Prestação Continuada de Assistência Social (BPC). Além disso, ainda falta ser implementada uma Política Nacional de capacitação dos/as profissionais, bem como efetivar a realização de concursos públicos para trabalhadores/as do Sistema Único", ressaltou.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

vida

Viver é uma surpresa a cada dia, boas ou más,
devemos sempre aprender com o que nos surpreende, sorrindo ou chorando, mas
vivendo, das lágrimas, tiremos apenas o alívio, da tristeza, tiremos o desabafo,
das alegrias, aprendemos que tudo deve ser equilibrado e do próximo, devemos entender, que
estão aqui nesta terra porque estão aprendendo, assim como eu ou você, portanto, perdoe,
prefira o silêncio do que magoar, é melhor que nos magoem, que magoarmos, pois jamais, devemos
agir por impulso, sabedoria, amor, caridade é o nosso propósito...nessa terrinha...pense nisso e tenha um restinho de semana lindo!!
bjo na alma!!!