sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Assitente social em escolas






Deputado defende que escola pública tenha assistente social no seu quadro funcional

Um projeto do deputado federal Fábio Faria (PMN) prevê a participação de pelo menos um profissional de serviço social nos quadros funcionais de toda escola pública de ensino fundamental e médio do Brasil.



A proposta pretende apoiar as ações de combate à violência no ambiente escolar, cujos índices têm preocupado a sociedade brasileira.
“A presença do assistente social na escola de educação básica é importante para acompanhar o desenvolvimento dos alunos, ajudar na identificação de fatos que motivem comportamentos inadequados ou agressivos e estabelecer vínculos com suas famílias”, justifica Fábio Faria.
Segundo o deputado, o assistente social poderá atuar na orientação dos estudantes fora da sala de aula, especialmente quando eles enfrentam problemas pessoais, especialmente na adolescência, fase de desenvolvimento da personalidade, ou quando se preparam para ingressar no mercado de trabalho.

Veja também:



Santa Cruz e Riachuelo 

são destaques na reportagem 

sobre corrupção 

publicada na Isto É

As cidades de Santa Cruz e Riachuel ganharam
destaque na mídia nacional. 
Mas nada de boas notícias, 
os dois municípios são citados 
como exemplos de corrupção 
nas administrações públicas.
No caso de Santa Cruz, 
a Controladoria Geral 
da União contratou, 
sem licitação, 
uma empresa “laranja” no valor de R$ 2,3milhões
 que seria destinada a fazer
 a obra de drenagem e pavimentação.
 A CGU também identificou
 irregularidade em Riachuelo, 
onde foram distribuídos recursos públicos 
para os parentes dos prefeitos.
“No início do mês,
 a Controladoria-Geral da União (CGU) 
atingiu um número simbólico:
 fiscalizou os repasses de recursos 
federais em 30% dos municípios brasileiros,
 algo próximo a 1,6 mil pequenas cidades, 
com menos de 500 mil habitantes. Individualmente, 
os relatórios enviados pelos fiscais da CGU 
mostram casos de corrupção
 barata espalhados por todo o País, 
mas, quando observados em conjunto, 
desenham um cenário sombrio”, diz a matéria da Isto É.